quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Se eu morrer sem confessar um pecado, eu vou para o inferno?



"Se eu cometer um pecado e acontecer de logo depois morrer sem ter pedido perdão, o que acontece?"
Essa foi a pergunta que me fizeram, o que você responderia?
A resposta curta é que isso não altera de modo algum a condição de salvo. Um crente em Cristo que morreu sem confessar ou arrepender-se de um pecado permanece salvo e estará na glória de Deus.
Dito isso, podemos usar essa pergunta para esclarecer algumas coisas:

Você peca mais do que pensa

Se morrer sem confessar algum pecado fizesse uma pessoa perder a salvação e ir para o inferno, todos nós iríamos para o inferno porque todos nós provavelmente morreremos sem confessar algum tipo de pecado. Isso acontece porque você peca mais do que pensa, cada segundo que você passa sem amar a Deus de toda sua alma, entendimento e de todas as forças, você está pecando ao quebrar o primeiro mandamento. Davi, por exemplo, pediu que Deus o perdoasse pelos seus pecados ocultos; isto é, pecados dos quais ele não tinha consciência. Esse certamente foi um dos motivos para que a primeira das 95 teses de Lutero seja essa: “Dizendo nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo: Arrependei-vos.... certamente quer que toda a vida dos seus crentes na terra seja contínuo arrependimento”.

Quem salva é Cristo

Que fique claro: Nosso arrependimento, confissão e pedido de perdão não tem poder para nos salvar. Nós somos salvos através da morte de Cristo na cruz em nosso lugar; e é por causa do que Cristo fez que Ele “pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus”.[1] O arrependimento e a fé são a maneira de nos achegarmos a Deus, mas não temos mérito algum nisso. Todo mérito de nossa salvação pertence exclusivamente a Jesus Cristo.

Cristo nos salva através da fé

Nós somos salvos pela graça através da fé[2]. No momento em que verdadeiramente cremos, somos perdoados de todos os nossos pecados[3] e somos justificados por Deus,[4] de forma que não há mais nenhuma dívida que não tenha sido paga,[5] nem alguma acusação ou condenação sobrando.[6] Isto é, somos completamente perdoados e justificados no momento em que cremos. Como bem observa Vinicius Musselman Pimentel, “se você não crê nisso, você não é um evangélico”.[7]

Porque devemos continuar nos arrependendo e confessando nos pecados?

Sim, afinal o próprio Jesus nos ensinou a orar para que Deus perdoe nossas dívidas.[8] Em sua primeira tese Lutero nos ensinou que o arrependimento e a confissão de pecados devem ser hábitos cotidianos na vida do crente. Mas por quê? Porque, embora salvos em Cristo Jesus e já definitivamente justificados, somos ainda pecadores e o pecado ainda é uma triste realidade em nosso cotidiano. Então devemos constantemente nos examinar, arrepender e confessarmos nossos pecados...
a.       Porque estamos numa luta contra o pecado,
b.      Porque queremos ser santos e o pecado em nós ofende a santidade de Deus,
c.       Porque o pecado atrapalha o agir do Espírito Santo em nós,
d.      Porque queremos nos parecer cada vez mais com Jesus e não há nada mais contrário a isso que o pecado em nossa vida.
Concluindo, não somos salvos ou mantemos nossa salvação porque nos arrependemos ou confessamos nossos pecados; somos salvos porque um dia cremos em Jesus Cristo que morreu na cruz pelos nossos pecados. Naquele momento ele nos justificou e nos salvou completa e definitivamente, naquele momento Ele nos garantiu em sua glória eterna. Por que devemos então nos arrepender e confessar nossos pecados continuadamente? Porque continuamos sendo pecadores, mas lutamos contra o pecado porque o Espírito de Deus que habita em nós nos santifica e trabalha para nos tornar cada vez mais parecidos com Cristo.


[1] Hebreus 7.25
[2] Efésios 2.8
[3] Colossenses  2.13
[4] Romanos 5.1
[5] Colossenses 2.14
[6] Romanos 8.1, 33-34
[7] http://voltemosaoevangelho.com/blog/autor/vinicius/
[8] Mateus 6.12

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Colabore com o autor. Obrigado.

Destaque

A Demi Lovato e o batismo cristão