terça-feira, 16 de abril de 2019

“O amigo do amigo de meu pai”: A reportagem censurada pelo STF




Reportagem de Rodrigo Rangel e Mateus Coutinho publicada originalmente na Revista Crusoé e censurada pelo ministro do STF Alexandre de Moares a pedido do presidente da corte Dias Toffoli. 

***

dias toffoli

NA ÚLTIMA TERÇA-FEIRA, um documento explosivo enviado pelo empreiteiro-delator Marcelo Odebrecht foi juntado a um dos processos da Lava Jato que tramitam na Justiça Federal de Curitiba. As nove páginas trazem esclarecimentos que a Polícia Federal havia pedido a ele, a partir de uma série de mensagens eletrônicas entregues no curso de sua delação premiada.

No primeiro item, Marcelo Odebrecht responde a uma indagação da Polícia Federal acerca de codinomes que aparecem em emails cujo teor ainda hoje é objeto de investigação. A primeira dessas mensagens foi enviada pelo empreiteiro em 13 de julho de 2007 a dois altos executivos da Odebrecht, Irineu Berardi Meireles e Adriano Sá de Seixas Maia. O texto, como os de centenas de outras e-mails que os executivos da empreiteira trocavam no auge do esquema descoberto pela Lava Jato, tinha uma dose de mistério.

Marcelo Odebrecht pergunta aos dois:
“Afinal vocês fecharam com o amigo do amigo do meu pai?”.

É Adriano Maia quem responde, pouco mais de duas horas depois: “Em curso”. A conversa foi incluída no rol de esclarecimentos solicitados a Marcelo Odebrecht. Eles queriam saber, entre outras coisas, quem é o tal amigo do amigo do meu pai”. E pediram que Marcelo explicasse, “com o detalhamento possível”, os “assuntos lícitos e ilícitos tratados, assim como identificação de eventuais codinomes”.




A resposta do empreiteiro, que após passar uma longa temporada na prisão em Curitiba agora cumpre o restante da pena em regime domiciliar, foi surpreendente. Escreveu Marcelo Odebrecht no documento enviado esta semana à Lava Jato:
“(A mensagem) Refere-se a tratativas que Adriano Maia tinha com a AGU sobre temas envolvendo as hidrelétricas do Rio Madeira. ‘Amigo do amigo de meu pai’ se refere a José Antonio Dias Toffoli”.
AGU é a Advocacia-Geral da União. Dias Toffoli era o advogado-geral em 2007.

O empreiteiro prossegue, acrescentando que mais detalhes do caso
podem ser fornecidos à Lava Jato pelo próprio Adriano Maia. “A natureza e o conteúdo dessas tratativas, porém, só podem ser devidamente esclarecidos por Adriano Maia, que as conduziu”, afirmou no documento, obtido por Crusoé.

Adriano Maia se desligou da Odebrecht em 2018, depois do turbilhão que engoliu a empreiteira. Ex-diretor jurídico da construtora, seu nome já havia aparecido nos depoimentos da delação premiada de Marcelo Odebrecht. Ele é citado como conhecedor dos negócios ilícitos da empresa. O empreiteiro diz que Adriano Maia sabia, por exemplo, do pagamento de propinas para aprovar em Brasília medidas provisórias de interesse da Odebrecht. Ele menciona, entre os casos, a MP que resultou no chamado “Refis da Crise” e permitiu a renegociação de dívidas bilionárias após acertos pouco ortodoxos com os ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci.

Adriano Maia também aparece em outras trocas de mensagens com Marcelo Odebrecht que já constavam nos inquéritos da Lava Jato. Em uma delas, também de 2007, Odebrecht o orienta a estreitar relações com Dias Toffoli na Advocacia-Geral da União. Àquela altura, a Odebrecht tinha interesse, juntamente com outras construtoras parceiras, em vencer a licitação para construção e operação da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira. Na AGU, Toffoli havia montado uma força-tarefa com mais de uma centena de funcionários para responder, na Justiça, às ações que envolviam o leilão.

Havia um esforço grande do governo para dar partida às obras. O leilão para a construção da usina de Santo Antônio foi realizado em dezembro de 2007, cinco meses após a mensagem em que Marcelo Odebrecht pergunta aos dois subordinados se eles “fecharam com o amigo do amigo de meu pai”. A disputa foi vencida pelo consórcio formado por Odebrecht, Furnas, Andrade Gutierrez e Cemig. A Lava Jato trabalha para destrinchar o que há por trás dos e-mails – e dos codinomes que, agora, a partir dos esclarecimentos de Marcelo Odebrecht, são conhecidos.

A menção a Dias Toffoli despertou, obviamente, a atenção dos investigadores de Curitiba. Uma cópia do material foi remetida à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para que ela avalie se é o caso ou não de abrir uma frente de investigação sobre o ministro – por integrar a Suprema Corte, ele tem foro privilegiado e só pode ser investigado pela PGR. Os codinomes relacionados às amizades de Marcelo e do pai dele, Emílio Odebrecht, já apareciam nas primeiras mensagens da empreiteira às quais a Polícia Federal teve acesso, ainda na 14ª fase da Lava Jato, deflagrada em junho de 2015. No material, havia referências frequentes a “amigo”, “amigo de meu pai” e “amigo de EO”.

Demorou pouco mais de um ano para que os investigadores colocassem no papel, pela primeira vez, que o “amigo de meu pai” a que Marcelo costumava se referir era Lula – o ex-presidente conhecia Emílio Odebrecht desde os tempos em que era sindicalista. As mensagens passaram a fazer ainda mais sentido depois. Elas quase sempre tratavam de assuntos relacionados ao petista. Se havia a certeza de que o “amigo de meu pai” era Lula, ainda era um enigma quem seria o tal “amigo do amigo de meu pai”. Sabia-se que, provavelmente, era alguém próximo a Lula. Mas faltavam elementos para cravar o “dono” do codinome e, assim, tentar avançar na apuração. A alternativa que restava era, evidentemente, perguntar ao próprio Marcelo Odebrecht. E assim foi feito.

Há fundadas razões, como se diz no jargão jurídico, para Dias Toffoli ser tratado por Marcelo Odebrecht como “amigo do amigo de meu pai” – amigo de Lula, portanto. O atual presidente do Supremo foi, durante anos a fio, advogado do PT. Com a chegada de Lula ao poder, ascendeu juntamente com os companheiros. Sempre manteve ótima relação com o agora ex-presidente, que está preso em Curitiba.

Em 2003, Dias Toffoli foi escolhido para ser o subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil. Naquele tempo, o ministro era José Dirceu. Toffoli ocupou o posto até julho de 2005. Em 2007, foi nomeado por Lula chefe da Advocacia-Geral da União, um dos cargos mais prestigiosos da máquina federal. Em 2009, deu mais um salto na carreira: Lula o escolheu para uma das onze vagas de ministro do Supremo Tribunal Federal.

Nesta quinta-feira, Crusoé perguntou a Dias Toffoli que tipo de relacionamento ele manteve com os executivos da Odebrecht no período em que chefiava a AGU e, em especial, quando a empreiteira tentava vencer o leilão para a construção das usinas hidrelétricas no rio Madeira. Até a publicação desta edição, porém, o ministro não havia respondido.

Os outros e-mails listados na resposta de Marcelo Odebrecht ao pedido de esclarecimentos feito pela Polícia Federal trazem mais bastidores da intensa negociação travada entre a empreiteira e o governo em torno dos leilões para a construção das usinas na região amazônica – projetos que, na ocasião, eram tratados por Brasília com grande prioridade e que, como a Lava Jato descobriria mais tarde, viraram uma fonte generosa de propinas para a cúpula petista.

Ao explicar uma das mensagens, Marcelo Odebrecht volta a envolver o ex-presidente Lula diretamente nas controversas negociações com a companhia. Ao se referir à decisão da empresa de abrir mão de um contrato de exclusividade com seus fornecedores no processo de licitação da usina de Santo Antônio, Marcelo afirma que a medida foi adotada a partir de uma conversa privada entre Lula e Emílio Odebrecht.

Diz ele: “Esta negociação foi feita entre Emílio Odebrecht e o presidente Lula (‘amigo de meu pai’) que prometeu compensar a Odebrecht em dobro (de alguma forma que só Emílio Odebrecht pode explicar)”. Também há menção a Dilma Rousseff, tratada em um dos e-mails como “Madame”. A então, ministra da Casa Civil de Lula era vista, àquela altura, como um empecilho aos projetos da Odebrecht na área de energia na região norte do país. As mensagens trazem, ainda, referências aos pedidos de propina relacionados aos leilões, que chegavam por intermédio de João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT.

Com as respostas do empreiteiro-delator, a Lava Jato deverá dar mais um passo nas investigações sobre os leilões das hidrelétricas. Uma das frentes de apuração, que mira a construção da usina de Belo Monte, já está avançada. Quanto à menção de Marcelo Odebrecht a Dias Toffoli, não se sabe, até aqui, se a Procuradoria-Geral da República pedirá algum tipo de esclarecimento ao ministro antes de decidir o que fazer. Como advogado-geral da União, Toffoli tinha a atribuição de lidar com o tema. Até por isso, não é possível, apenas com base na menção a ele, dizer se havia algo de ilegal na relação com a empreiteira. Mas explicações, vale dizer, são sempre bem-vindas.

terça-feira, 9 de abril de 2019

Análise da letra: Quero casar com você



Normalmente eu não faço comentários sobre novidades do mercado gospel com as quais eu discorde ou ache bizarras, até porque as novidades não param. Mas recentemente por acaso eu assisti um clip do André Aquino com a música (que pretende ser um louvor) intitulada “Eu quero casar com você”. Fiquei curioso e depois do play fiquei abismado, o irmão simplesmente está cantando que quer casar com Jesus. O mais surpreendente é a quantidade de pessoas aplaudindo, dizendo que era um louvor espiritual e tremendo.

Fiz um comentário criticando a letra da música perguntando:

Há algum texto na sua Bíblia que autoriza você ou qualquer pessoa dizer que quer casar com Jesus? Algum dos apóstolos disse algo parecido? Há algo assim nas páginas do Novo Testamento?

Obtive respostas assim:

“Porque existem coisas que só podem ser compreendidas no secreto com o Papai”

“a teologia de hoje, as doutrinas hoje estão a cada dia mais matando o espírito”

Todas as respostas e comentários são nesse sentido. Não interessa o que a Bíblia diz, interessa o que eu sinto “no secreto”. É a máxima: “Se me faz sentir bem, então tudo certo”. Mas é máxima não é de Deus, essa frase é diabólica. Uma canção, uma mensagem, qualquer sermão, pode ser lindo, me fazer chorar, mas se não reflete a palavra de Deus é porque não é de Deus.

Uma moça escreveu: “Onde na Bíblia proíbe a gente de querer casar com Jesus”. Mas a pergunta não é essa, a pergunta é: “Onde na Bíblia se vê pessoas dizendo que querem casar com Jesus?”. Quando se trata de culto e de adoração, não é o que a Bíblia não proíbe, mas sim o que a Bíblia ordena a que devemos nos apegar.[1]
Então, me responda:
  1. Há na sua Bíblia Jesus convidando as pessoas a se casarem com ele?
  2. Há na sua Bíblia algum dos discípulos, talvez o afoito Pedro ou o amável João dizendo que quer se casar com Jesus?
  3. Há nas cartas de Paulo, Pedro, Tiago, Judas ou João alguma orientação no sentido de “desejem ardentemente serem as esposas de Jesus ou o casamento com ele”?


Não, Jesus não mandou ninguém ficar desejando se casar com ele, sabe o que Jesus mandou?

  1. Arrepender: “Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mateus 4.17).
  2. Segui-lo e levar outros a Ele: “E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” (Mateus 4:19).
  3. Alegrar quando perseguido: “Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós” (Mateus 5:11).
  4. Ser sal da terra e Luz do mundo: “Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte” (Mateus 5:13-14).
  5. Entrar pela porta estreita: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela)” (Mateus 7:13).
  6. Ir pelo mundo pregando o Evangelho como ovelhas entre lobos: “Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas” (Mateus 10:16).
  7. Perder nossa vida por amor a Ele: “Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la-á” (Mateus 10:39).
  8. Tratar a todos como se fosse a Cristo: “O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um dos meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes” (Mateus 25.40).
  9. Negar a si mesmo e tomar a sua cruz: “Então, disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Mateus 16.24).
  10. Obediência: “E por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?” (Lucas 6.46).
Dito isso, vamos entender melhor sobre o casamento do Cordeiro com sua Noiva?

HAVERÁ UM CASAMENTO NO CÉU

“Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos” (Apocalipse 19:7-8).

Quem vai se casar com Cristo?

A Noiva é a Igreja de Cristo. As bodas de Cristo não são com a igreja A ou com a igreja B, não é com os crentes, com você ou comigo que fazemos parte da igreja. As bodas de Cristo são com a Igreja chamada de Invisível ou Universal; isto é, a Igreja formada por todos os salvos de todas as épocas, desde Adão até o último cristão sobre a face da terra. É essa comunidade de salvos, essa Igreja Gloriosa que Cristo receberá como esposa.

O que esse “casamento” simboliza?

A figura do casamento é usada frequentemente nas Escrituras para representar a relação entre Deus e seu povo. No Velho Testamento, Deus é o marido e o povo de Israel, a mulher. No Novo Testamento, Cristo é o noivo e a igreja, a noiva. Ao compreender a riqueza desse símbolo, daremos mais importância à obediência no dia-a-dia. 

Quando a noiva finalmente estiver pronta para encontrar o noivo, Jesus vai voltar para buscar a sua amada. Depois de tantos anos de padecimentos, eles finalmente estarão juntos! Todo o Céu se alegrará e celebrará este evento e que deve ser uma tremenda festa de casamento! (Apocalipse 19.7-8).[2]

Como a Igreja se prepara?

A igreja se prepara para essa celebração gloriosa se enfeitando e tornando-se cada vez mais bela; mas, em que consiste a beleza da Igreja? João diz que são “os atos de justiça dos santos” (Apoc 19.8). Cada ato de justiça que os cristãos praticam nesse mundo, cada momento em que demostram a justiça de Deus nesse mundo em trevas, estão se preparando para aquele momento grandioso descrito em Apocalipse 19.
Como nos preparamos para esse casamento? Cantando que “quero casar com Jesus” como o André Aquino? Paulo diz na carta aos colossenses que a igreja deve desejar as coisas do céu porque é no céu que seu noivo, Cristo, está assentado à direita de Deus. Mas como a Igreja deve expressar esse desejo? Paulo responde essa pergunta de modo bem específico:
  1. Pense nas coisas que são do alto; isto é, viva de acordo com os valores celestiais e não terrenos (Col 3.2-3).
  2. Faça morrer sua natureza terrena, matando em si a impureza, a lascívia, a avareza (Col 3.5-7).
  3. Arranque de si todo comportamento que não agrada a Deus como a mentira, a ira, a maldade (Col 3.8-9).
  4. Revista-se do caráter de Jesus Cristo tornando-se cada vez mais parecido com Ele inclusive no amor para com os outros (Col 3.10-15).
  5. Conheça ricamente a Palavra de Deus e ensine e aconselhe os outros (Col 3.16-17).

Porque é tolo cantar “Eu quero casar com você” para Jesus?

Por mais que devemos desejar ardentemente a festa celestial descrita em Apocalipse 19, afinal “O Espírito e a noiva dizem: Vem! E quem ouve, diga: Vem!” (Apocalipse 22.17), cantar para Jesus que “Eu quero casar com você”, além de estranho, tem alguns problemas:
  1. Primeiro porque quem se casa é a igreja e você NÃO É a igreja, você apenas faz parte de uma inumerável comunidade de santos.
  2. Além disso, transmite uma ideia equivocada como se finalmente eu fosse estar junto com Jesus contrariando a afirmação de Jesus que ele sempre está com seu povo (Mateus 28.20).
  3. Compreende a união simbolizada nesse casamento celestial de forma errada; afinal, quando cremos passamos a estar unidos com Cristo (João 15.4-5), exatamente a união simbolizada no casamento. Assim como os homens não serão salvos ou condenados após o julgamento final, a igreja também não estará unida (ou, casada) com Cristo após as bodas descritas em Apocalipse 19. Tanto o julgamento quando o casamento apenas demonstra diante de toda criação aquilo que Deus já fez.

Conclusão

Eu termino aqui com esse mandamento de Paulo. Ele diz “habite ricamente em vós a palavra de Cristo”. Nos comentários sobre a música do André Aquino uma pessoa escreveu que devemos amar mais a Jesus do que a Palavra de Jesus. Isso é inconcebível. Na verdade nós amamos a Jesus na exata medida em que amamos a Palavra de Cristo. Jesus diz claramente: “Se me amais, guardai os meus mandamentos” (João 14.15) e Lucas registra a pergunta retórica de Cristo: “E por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?” (Lucas 6.46). Não tem como fugir: Se você não conhece e obedece aos mandamentos de Jesus, você não o ama. Se você não conhece e cumpre a palavra dele, Ele não é o Senhor de sua vida.

Então, aprecie boa música cristã; mas não seja negligente e examine profundamente cada afirmação que há naquela música, sermão ou texto qualquer. É sua responsabilidade.


[1] Uma analogia útil é o princípio da legalidade na administração pública: diferente do cidadão comum que pode fazer tudo aquilo que a Lei não proíbe, em relação ao culto nós somos como o servidor público que só pode fazer aquilo que a Lei determina. A legalidade do nosso culto repousa na sua estrita conformidade à Palavra de Deus.
[2] Brian Janz (Fonte: cristianismoativo.org)

Um cristão pode fazer Acupuntura?



O que é?

A acupuntura (do latim acus – agulha e punctura – colocação) é um ramo da medicina tradicional chinesa (MTC). A acupuntura é um dos componentes da Medicina Tradicional Chinesa. No Brasil, foi reconhecida como especialidade médica em agosto de 1995, e está inserida no SUS (Sistema Único de Saúde) desde o ano de 1988. Foi também declarado Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade pela Unesco em 19 de novembro de 2010.

Acupuntura é uma forma de tratamento alternativo que consiste em espetar pequenas agulhas em pontos específicos do corpo para tratar vários problemas de saúde. Foi desenvolvida na China ao longo de milhares de anos e só recentemente se espalhou para o resto do mundo.

A acupuntura nasceu no oriente, mais precisamente na China. Lá ela é largamente utilizada pela medicina tradicional chinesa como um método de tratamento complementar na cura de vários tipos de doenças. Esse tipo de tratamento chegou ao Brasil no século XX, trazido pelos imigrantes japoneses e logo começou também a ser adotado como um tratamento complementar. No começo não era muito aceito, porém, os resultados eram evidentes, o que fez os conselhos federais de saúde avaliarem os resultados dos tratamentos. Em 1995 o conselho Federal de Medicina reconheceu a acupuntura como especialidade médica

Pesquisas recentes com o uso de ressonância magnética funcional mostram que a acupuntura pode ter ação no sistema nervoso central, com a ativação de áreas específicas cerebrais que atuam no controle e regulação da dor e outros sintomas. Outras pesquisas mostram que a acupuntura também age localmente e difusamente com a liberação de hormônios e neurotransmissores, como a serotonina, endorfina, auxiliando no alívio e tratamento dos sintomas.

O tratamento com acupuntura, segundo a Organização Mundial da Saúde e centenas de pesquisas científicas médicas, tem benefícios no tratamento de patologias tanto agudas quanto crônicas. A acupuntura auxilia no tratamento e controle de dores, principalmente músculo-esqueléticas, e tem efeito anti-emético (contra vômitos), promotor da imunidade, ansiolítico, antidepressivo menor e relaxante muscular, principalmente.
Como a Acupuntura funciona?

A inserção das agulhas de Acupuntura estimula as terminações nervosas existentes na pele e nos outros tecidos, enviando desta forma mensagens até ao cérebro, o que desencadeia diferentes efeitos no corpo, como ação analgésica ou anti-inflamatória, por exemplo. Existem diversas comprovações científicas de que a acupuntura funciona mesmo, porém no Brasil ela só deve ser utilizada como forma para complementar o tratamento clínico orientado pelo médico.

Qual a explicação oriental para a Acupuntura?

A acupuntura é um dos tratamentos médicos mais antigos e teve sua origem na China, há mais de 2500 anos. As raízes de sua filosofia estão nos ensinamentos tradicionais do Taoísmo, que promove a harmonia entre os humanos e o mundo a sua volta, assim como um equilíbrio entre o yin e o yang. A visão tradicional da medicina chinesa está profundamente ligada a teorias baseadas no Taoísmo, sobre a dualidade Yin/Yang, sobre, chacras, meridianos e outros conceitos exóticos para a ciência médica ocidental.

A explicação oriental de como funciona a Acupuntura é a seguinte: a energia vital, denominada energia Qi, flui através de canais no corpo. Esta energia pode ser influenciada e equilibrada pela estimulação de pontos específicos do corpo. Estes pontos estão localizados ao longo dos canais de energia conhecidos como meridianos, que ligam nossos órgãos principais. Segundo a teoria da Medicina Chinesa, a doença surge quando o fluxo cíclico de Qi nos meridianos se torna desequilibrado ou é bloqueado.


Qual o problema?

Há pessoas que condenam a acupuntura em razão de sua origem pagã ou por causa de sua explicação mítica. Isso porque, como dito acima, dentro da tradicional medicina chinesa, a acupuntura é explicada como útil para alinhar os chacras, equilibrando a energia positiva e negativa (yin/yang) e fazer fluir a energia vital (Qi). Na perspectiva tradicional chinesa, a doença é causada por um desequilíbrio de energias.

No entanto, nada disso impede ao cristão de valer-se da acupuntura. Sabemos que não há chacras e que a saúde não é resultado de um alinhamento de energia positiva/negativa. A explicação mítica não torna a acupuntura inútil ou nociva. A acupuntura, como já mostraram vários estudos científicos, por outra razão: o método estimule a liberação de substâncias químicas que alteram o sistema nervoso e podem ter efeitos em todo o corpo, promovendo o equilíbrio do organismo.

Ilustração

Imagine que você está com dor de cabeça e uma pessoa diga que essa dor de cabeça é causada por um desequilíbrio de energias. Ela te oferece então um comprimido de paracetamol dizendo que aquele comprimido irá equilibrar as energias fazendo parar a dor de cabeça.

Isso impede você de tomar o comprimido de paracetamol? Ou, tomar o comprimido significa que você crê na explicação dele? Não. Você que é esclarecido sabe que a dor de cabeça não é causada por um desequilíbrio de energias e que o Paracetamol funciona porque atua diretamente no Sistema Nervoso Central diminuindo a sensibilidade à dor através da inibição de estímulos nervosos.


Agulhas consagradas a espíritos ou demônios?

Essas alegações não têm nenhum respaldo. No entanto, assim como os açougueiros de Corinto consagravam as carnes vendidas no mercado a ídolos e mesmo assim o apóstolo Paulo afirmou que não havia nenhum problema em serem consumidas pelos cristãos (1 Coríntios 8.8); o fato de um profissional (acupunturista, dentista, padeiro, etc) consagrar a ídolos ou a demônios sua atividade, não impede que cristãos usufruam desses serviços. Como diz Paulo, ídolos não são nada (1Coríntios 8.4) e demônios nada podem contra o Cristo que reina em sua vida ou contra o Espírito Santo que habita em você (1 Coríntios 8.5-6).


Pra que serve?

A acupuntura induz a regeneração e assim consegue recuperar todo o organismo. As funções do corpo ficam normalizadas, além de estimular o sistema imunológico e aumentar a resistência à dor. Ela é muito indicada para: 

  • Dores, principalmente nas costas;
  • Casos de fibromialgia, ajudando a diminuir a dor;
  • Pacientes que fazem quimioterapias ou cirurgias, diminuindo enjoos e vômito;
  • Diminuição da tensão emocional.

Pesquisas já confirmaram que a técnica pode desativar áreas responsáveis no cérebro e triplicar o efeito de analgésicos e anti-inflamatórios naturais. Pesquisas realizadas na Universidade de Rochester, nos EUA, constatou que pontos da pele próximo às agulhas continham 24 vezes mais adenosina. O cérebro identifica esses pontos e produz mais endorfina naturalmente.

Caso você escolha fazer acupuntura: 

  • Escolha o profissional com cuidado – se informe antes; escolha um profissional com boas qualificações e que não incorpora elementos pagãos na sessão.
  • Ore – dedique o tratamento a Deus e peça sua proteção contra qualquer influência maligna.


Opinião do Dr. Lucas Davi de Souza


Médico pediatra e pastor na Igreja Batista Boas Novas em Medianeira/PR

Acupuntura é um tratamento sério? Funciona mesmo? Um cristão pode fazer uso desse tratamento?



Sim. Acupuntura é ciência médica alternativa, não é solução para tudo. Mais na dor é muito útil. A ignorância é um problema sério. Acupuntura é uma arte milenar. Seu princípio é estimular com agulhas terminais neurológico sensitivos. O bloqueio que faz pode produzir até mesmo efeito anestésico. O implante de sementes na orelha faz com que alguns pensem em bruxaria. Mas esses implantes também visam produzir estímulos. Mas nem sempre os resultados pretendidos são alcançados.
Acupuntura, à semelhança da homeopatia, para alguns também é bruxaria. Mais faz parte da medicina alternativa. Os médicos mais conservadores são halopatas, ou seja, exercem a halopatia, isto é, a medicina convencional. Tanto a homeopatia, acupuntura e halopatia são práticas médicas controladas pelo CRM (Conselho Regional de Medicina).
Quanto às agulhas, elas são de uso único e descartável para evitar transmissões de doenças como a Hepatite, HIV e outras.

Acupuntura é uma prática religiosa, consagrada a espíritos ou demônios?
Não existe nenhuma consagração. É o místico da medicina chinesa que muitas pessoas criam essas tabus. Mais ela é praticada no meio cristão na China sem ressalvas.

Conclusão

Se um médico recomendar ou aprovar o tratamento com acupuntura para você, não tenha receio em valer-se desse tratamento. Se informe, procure um profissional certificado e com boas referências e, como tudo o mais em sua vida, sempre ore fazendo tudo para a glória de Deus.

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Personal Jesus: Aonde está Deus agora?


"Onde estava Deus em todo sofrimento e dor de Jó? Ele estava ganhando uma aposta com Satanás. Faz você se perguntar onde Ele está com toda injustiça, desigualdade e crueldade no mundo".

Termina assim um dos episódios mais impactantes da série Grey's Anatomy. Com um desses questionamentos que deixam muitos sem resposta, sentindo o peso da amarga frustração de esperar uma bênção que talvez nunca chegue.

Mas Deus nunca fez uma aposta com Satã, Ele não seria Deus se fizesse. Essa história não se trata de uma aposta, mas de Deus mostrando a Satã e ao universo inteiro, inclusive a você e eu, que aqueles que creem nele perseveram, mantém sua fé até não restar nada, e mesmo depois de não restar nada eles ainda se prostram em adoração.

A história de Jó é a resposta a acusação que muitos fazem, não apenas Satã, de que você só ora a Deus e o cultua porque Ele lhe dá bênçãos. Quem adora a Deus por essas razões, nunca foi servo dele, mas apenas de si mesmo.

Mesmo se Jó tivesse morrido em sua miséria sem nunca receber em dobro o que tinha antes, mesmo se Daniel tivesse sido devorado pelos leões e os amigos dele tivessem morrido na fornalha... ainda assim, ao chegar o fim, eles se prostrariam em adoração.

Pessoas que creem, cultuam e adoram a Deus em razão das bênçãos que Ele pode dar invariavelmente acabam em grande frustração. O próprio Jesus morreu numa cruz sendo chamado de impostor, e Ele próprio alertou que não devíamos esperar um futuro melhor que o dele. Porque adorar a Deus então? A oração de Rabia (uma mulher iraquiana em 800 d.C) responde assim:
“Se eu te adorar por medo do inferno, queima-me no inferno. Se eu te adorar pelo paraíso, exclua-me do paraíso. Mas se eu te adorar pelo que Tu és, não escondas de mim a Tua face”.
"Aonde está Ele agora?" - o episódio termina com a personagem April Kepner fazendo essa pergunta após viver um dia terrível, repleto de perdas duríssimas e esperanças frustradas. A resposta que Jesus dá aos seus discípulos é:
"Estarei convosco todos os dias, até o fim; inclusive nos seus piores dias, quando seus amigos ou pessoas mais queridas morrerem, estarei com você na depressão e nas crises de ansiedade, durante as sessões de quimioterapia e quando você for traído e humilhado, quando chorar sozinho sem ter ninguém para te abraçar, eu estarei lá".

terça-feira, 2 de abril de 2019

Oração, Silêncio e Contemplação


Ao ler sobre Thomas Merton,[1] fui surpreendido com uma afirmação do autor acerca dos alunos na Bellarmine University – uma universidade católica]:[2] "Os estudantes gostam de aprender sobre contemplação, oração e silêncio...".[3] Ao ler isso não pude deixar de pensar nos estudantes de teologia evangélicos, para os quais esses três temas NUNCA estão entre as prioridades para estudo. 

Imagino o estranhamento que causaria se, num de nossos seminários de Teologia, um estudante dissesse que precisa apender mais sobre oração ou silêncio. 

Nossos estudantes de Teologia estão ocupados demais com Teologia do AT/NT, hebraico e grego, exegese, homilética, teologia reformada, escatologia e, acima de tudo, apologética. Sim, apologética acima de tudo. Afinal, poucas coisas são tão importantes como a capacidade de provar que estamos certos. 

O custo disso? Não é nenhuma novidade afirmar que a grande maioria dos pastores tem uma vida de ORAÇÃO, se não protocolar, inexistente. Pior, além de não saberem orar com profundidade, os pastores não sabem também ensinar a igreja a orar. Quem já tentou esticar um momento de oração além de 5 minutos sabe do que estou falando. 

É visível o desconforto que muitos crentes maduros sentem com orações mais longas, ou com um momento de oração que se estenda um pouco mais. Solicitar que 3 pessoas orem em sequência é um martírio para muitos. Certa vez pedi que toda congregação ficasse de joelhos enquanto três irmãos oravam. Após a terceira oração, abri os olhos e vi boa parte dos presentes já estavam assentados nos bancos pacientemente esperando que a pessoa terminasse de orar. Raríssimas são as igrejas que se aventuram numa vigília de oração que dure toda a noite. Recentemente uma igreja organizou até gincanas (além dos lanches) para que o povo se dispusesse a "orar". 

E quando se trata da CONTEMPLAÇÃO? Lido diariamente com crentes que não são capazes de refletir numa verdade espiritual por mais de 5 minutos. 

Semelhante à deficiência de cálcio nos ossos, tal deficiência espiritual gera cristãos fracos, frágeis e quebradiços. Por um lado, são vítimas do ativismo que mascara a deficiência que têm. São aqueles que, ao ouvirem uma pessoa falar que precisa aprender a orar, questionam cheios de surpresa: "Como assim, você não sabe orar ainda?". Miseravelmente sem noção de sua própria limitação. 

Por outro lado, são condenados a viverem sempre nas águas rasas de uma espiritualidade não desenvolvida. Refém de crises que se sucedem e de incompreensões numa resolvidas. 

A tudo isso seus pastores, que deviam guiá-los às águas profundas da vida com Deus; fazem de tudo, mas não isso.

Se você quer mudar isso, como eu quero, a única saída é reconhecer essas gigantescas limitações e não querer mais ficar nessas águas rasas. Buscar por aqueles que mergulham mas fundo, homens e mulheres que contemplam Deus, pessoas que passam uma noite em oração sem que isso seja um peso. Há muitos livros, artigos e vídeos que podem nos ajudar nessa busca.

Gostamos de falar que Deus falou com Elias através da brisa suave; mas a verdade é que, por causa de nossa dificuldade em silenciar nossa alma, na maior parte do tempo não somos capazes de ouvir nada de Deus a menos que ele grite em nossos ouvidos. Sinto como se tudo que tivesse ouvido e visto de Deus até hoje fosse uma diminuta parte de suas palavras dirigidas a mim.

Se há beleza quando Deus grita, quão maiores serão os encantos de ouvi-lo cantar e em nossa alma sua  voz como uma brisa sobrar?

Destaque

Porque vocês odeiam Nossa Senhora?