Pais e filhos: O desafio de viver uma vida inspiradora

pai e filhos ilton santana



Qual o mandamento bíblico para os pais? O que realmente significa o famoso “ensina o filho no caminho em que deve andar”? Aproveito o nascimento do Isaac e a felicidade dos seus pais para falar mais uma vez sobre esse assunto que tem ocupado cada vez mais minha atenção. Começamos pelo texto já mencionado:


Ensine a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho não se desviará dele (Provérbios 22:6).


Tragicamente muitos pais têm entendido esse verso com uma ordem para apenas levar os filhos na igreja, ensinar memorizar alguns versículos ou impor à eles um código moral. Mas é muito mais, aos pais é ordenado conduzir seus filhos da mesma maneira que eles mesmos são conduzidos por Deus. Veja o que diz o Senhor Deus ao profeta Isaías:


Assim diz o Senhor , o seu Redentor, o Santo de Israel: “Eu sou o Senhor , o seu Deus, que lhe ensina o que é útil e o guia pelo caminho em que você deve andar (Isaías 48:17).


Por mais que alguns pensem que a vida cristã se resume em um certo comportamento e alguns conceitos espirituais, a vida cristã deve ser entendida como vida com Deus, uma vida em todos os aspectos submissa, direcionada e inspirada em Deus. Deus nos guia pelo caminho não apenas nos dando disciplina, mas também esperança e inspiração para vivermos a vontade dele e não a nossa. Como podemos fazer isso com nossos filhos? Dois textos em Deuteronômio respondem essa pergunta:


— Escute, Israel, o Senhor , nosso Deus, é o único Senhor . Portanto, ame o Senhor , seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e com toda a sua força. Estas palavras que hoje lhe ordeno estarão no seu coração. Você as inculcará a seus filhos, e delas falará quando estiver sentado em sua casa, andando pelo caminho, ao deitar-se e ao levantar-se. Também deve amarrá-las como sinal na sua mão, e elas lhe serão por frontal entre os olhos. E você as escreverá nos umbrais de sua casa e nas suas portas (Deuteronômio 6:4‭-‬9).


O segundo texto é semelhante mas destaca o fato que, diferente dos pais, os filhos não tiveram experiências com Deus, não “experimentaram e viram a disciplina do Senhor”. Isso ressalta a responsabilidade dos pais: eles são portadores de experiências grandiosas e devem encontrar uma maneira eficaz de transmiti-las aos filhos.


“Amem o Senhor , o seu Deus e obedeçam sempre aos seus preceitos, aos seus decretos, às suas ordenanças e aos seus mandamentos. Lembrem-se hoje de que não foram os seus filhos que experimentaram e viram a disciplina do Senhor , o seu Deus, a sua majestade, a sua mão poderosa, o seu braço forte. Vocês mesmos viram com os seus próprios olhos todas essas coisas grandiosas que o Senhor fez. — Ponham estas minhas palavras no seu coração e na sua alma. Amarrem-nas como sinal na mão, para que sejam por frontal entre os olhos. Ensinem essas palavras aos seus filhos, falando delas quando estiverem sentados em casa, andando pelo caminho, quando se deitarem e quando se levantarem. Devem escrevê-las nos umbrais de sua casa e nas suas portas” (Deuteronômio 11:1-2, 7, 18‭-‬20).


Há quatro elementos bem específicos nesse mandamento aos pais. Podemos falar deles através de quatro perguntas:


NO QUE VOCÊ CRÊ? Essa pergunta diz respeito ao conteúdo de fé. Muitos pais que têm dificuldade em instruir seus filhos, a têm porquê não têm clareza quanto à sua própria fé. Não basta dizer que creio em Jesus se não digo o que significa. Não são poucos os pais que são incapazes de responder as perguntas mais elementares sobre dia fé. Isso os torna incapazes também de comunicar efetivamente sua fé aos seus filhos.

COMO VOCÊ CRÊ? Essa pergunta diz respeito à fé experimentada. Os pais precisam amar o Senhor e obedecê-lo antes de ensinar isso aos seus filhos. Aqui não se trata mais de saber no que se crê, mas de experimentar de fato a vida com Deus tendo assim uma experiência para compartilhar. Pais que apenas vão ao culto com seus filhos não têm isso.

COMO VOCÊ ENSINA? Uso aqui o verbo ensinar porque é o usado no texto bíblico. Mas “ensinar” é normalmente compreendido como um processo ou puramente intelectual e essa não é a abordagem aqui. Ensinar aos filhos um código de ética, uma maneira de se comportar e conceitos teológicos cristãos é importante; mas só é eficaz se esse ensino procede de nossa forma de viver. É isso que ambos os textos de Deuteronômio nos ensina ao ordenar que ensinamos nossos filhos enquanto estamos assentados em casa, andando pelo caminho, enquanto estamos nos deitando ou nos levantando. Isto é, ensinamos durante todo o tempo, durante as tarefas rotineiras. Não há um tempo reservado à instrução. A questão fundamental é: enquanto nosso filho nos vê andando pelas ruas, dirigindo nosso carro, lidando com problemas, enfrentando crises no casamento, tendo dias estressantes, rindo com amigos no futebol, conversando ou reclamando dos vizinhos… ele está aprendendo a ter uma vida com Deus? Porque alguma coisa ele certamente está aprendendo.

O QUE DIZ A SUA CASA? Se um estranho olhar sua casa, a lista dos seus programas televisivos ou de suas músicas preferidas, se ele verificar sua fatura de cartão de crédito, os livros ou os itens na sua geladeira… O que ele faria estaria de acordo com a fé que você diz ter e viver? Deus manda que os pais escrevam as Escrituras nos umbrais de suas casas e nas portas; porquê? Porque é necessário que haja marcas visíveis ao nosso redor daquilo que afirmamos com nossos lábios. Não são poucos aqueles cujas casas desmentem o que eles dizem a respeito de si mesmo. Além disso, o difícil trabalho de inculcar na mente e coração dos filhos a Palavra de Deus exige uma soma de recursos. A minha palavra, a minha atitude e mesmo a decoração da minha casa devem transmitir a mesma mensagem.


Percebe-se claramente como os quatro elementos devem estar em sintonia. Eu devo conhecer a mensagem, crer nessa mensagem, transmiti-la aos meus filhos e evidenciá-la ao meu redor. A maior preocupação não deve ser se meus filhos terão uma fé verdadeira, mas em eu ter uma fé verdadeira que comunique e evidencie de forma eficaz e inspiradora. Concluo com uma fala de Paulo aos pais:


Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados (Colossenses 3:21).

O apóstolo Paulo explícita aqui algo contido no texto de Deuteronômio: os pais precisam inspirar seus filhos. Desanimados, no texto acima, já foi traduzido por pusilânimes, isto é, de alma pequena ou espírito fraco. A ideia é transmitida pelo significado original de desanimado, “sem alma. Logo, aos pais é mandado que zelem pelos filhos para que eles tenham alma e espírito grandiosos e isso só é possível se eles forem inspirados a isso.

Sendo assim, o desafio de criar um filho que aprenda a amar e obedecer a Deus é o desafio de não apenas viver uma vida cristã, mas viver uma vida cristã que seja inspiradora. É o seu caso?

Comentários