sexta-feira, 14 de junho de 2019

O homossexualismo, os homossexuais e a Igreja Evangélica


ilton santana


Hoje, 14 de Junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que homofobia equivale ao crime de racismo. Teoricamente a criminalização se refere a condutas preconceituosas em relação aos homossexuais, mas o problema é que nem sempre é fácil diferenciar uma opinião de um ato preconceituoso. Em princípio, tanto o direito à livre expressão quanto à liberdade religiosa estão assegurados; mas como questiona Thiago Rafael Vieira: Quem propriamente dirá quando uma manifestação configura ou não discurso de ódio?


Penso que essa é uma grande oportunidade para a Igreja Evangélica esclarecer para o público externo (e educar seu público interno) sobre:
  1. sua compreensão acerca do homossexualismo;
  2. sua convicção de que o pecado é a maior desgraça humana e ele atinge toda a humanidade sem distinção;
  3. sua função que é pregar o evangelho do arrependimento dos pecados e da fé em Jesus Cristo através de uma abordagem amorosa (não-preconceituosa) a toda e qualquer pessoa.
Nos parágrafos abaixo faço uma exposição concisa desses três pontos:

O homossexualismo é descrito na Bíblia como "paixão infame",[1] resultante dos desejos carnais desenfreados[2] que as pessoas têm em seu próprio coração [3] e uma das muitas consequências de uma “disposição mental reprovável”; [4] disposição essa que atinge todos os seres humanos indistintamente. [5]

Portanto, homossexualismo não é doença, não é desvio de caráter, não é sem-vergonhice, não é genético. Homossexualismo é pecado. E o pecado é uma condição compartilhada por todos os seres humanos. Isto é, se você não é homossexual, isso significa que sua condição pecaminosa – sua disposição mental reprovável – se manifesta de outra maneira, talvez na prática da injustiça, na falta de misericórdia ou na desobediência aos pais; tudo isso é detestável a Deus.

Então, qual deve ser o trato da Igreja evangélica para com os homossexuais? O mesmo que a Bíblia nos manda dar a todo e qualquer pecador: a mensagem do arrependimento de pecados e da fé em Jesus Cristo. O papel da Igreja ou dos cristãos não é serem defensores da moral e dos bons costumes, não é defender a família tradicional ou promover leis que imponham uma moral cristã à população. A missão dos cristãos é compartilhar com todos o Evangelho de Jesus Cristo; afinal, se você não crê que o Evangelho de Cristo é tudo o que o homem precisa para viver de modo agradável a Deus, você não é cristão.

Assim como muito pecadores jamais aceitarão a mensagem e se apegarão ainda mais fortemente à sua vida pecaminosa; assim também muitos homossexuais rejeitarão a mensagem do Evangelho, tratando-o como uma ofensa aos seus valores e estilo de vida.

A despeito disso, os cristãos estarão dispostos a sofrer as consequências da pregação do Evangelho sem jamais revidar com violência ou acusação. A única atitude cabível aos cristãos é a pregação amorosa e persistente de uma mensagem única: “Arrependei-vos e crede no Evangelho”. [6]




[1] Carta do apóstolo Paulo aos Romanos, cap 1, verso 26.
[2] O texto bíblico usa o termo concupiscência para falar de tais desejos.
[3] Carta do apóstolo Paulo aos Romanos, cap 1, verso 24.
[4] Carta do apóstolo Paulo aos Romanos, cap 1, verso 28.
[5] Carta do apóstolo Paulo aos Romanos, cap 2, verso 1; cap 3, verso 23.
[6] Evangelho de São Marcos, cap. 1, verso 15.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Colabore com o autor. Obrigado.

Destaque

Porque vocês odeiam Nossa Senhora?