sábado, 12 de outubro de 2019

Porque vocês odeiam Nossa Senhora?

"Madonna e o Menino" - Masaccio
Pintor do período do "Quattrocento" do renascimento italiano (1401-1428)


Essa foi a pergunta que me fizeram uma vez; assim, direto ao ponto. Cursava Letras na Unioeste[1] e aguardava dentro do ônibus o retorno para Medianeira quando, logo após saber que eu era um pastor batista, uma moça me fez a pergunta: “Porque vocês odeiam Nossa Senhora?”

A conversa que se seguiu está entre as melhores que tive sobre o assunto. Felizmente fui bem sucedido em mostrar à moça que, embora muitos evangélicos tenham uma postura equivocada e falem tolices a respeito, nós amamos a santa mulher que é reverenciada pelos católicos com muitos títulos: Mãe de Deus, Virgem Maria, Santa Maria, Nossa Senhora das Graças e – por causa de uma imagem da santa Maria aparecida em 1717 – Nossa Senhora Aparecida. 

É impossível a alguém que se diga temente a Deus ter qualquer sentimento de desprezo à Maria. A própria mãe do nosso Salvador profetizou a seu respeito: 

Desde agora, todas as nações me considerarão bem-aventurada. [2]

Ela fez isso pouco depois de sua prima Isabel, grávida de João Batista e possuída pelo Espírito Santo, declarar a respeito de Maria: 

Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. [3]

O maravilhoso fascínio que Maria sempre despertou em todos ao longo dos séculos pelo seu insuperável exemplo de piedade, devoção, humildade e fé; levou os católicos a formularem vários dogmas que fizeram da mãe do nosso Senhor, a humilde serva de Deus,[4] a tornar-se, na doutrina católica, a Senhora e Intercessora dos homens, Mediadora de todas as graças abaixo de Deus e acima dos homens e anjos,[5] perpetuamente virgem, sem pecado,[6] sem passar pela morte,[7] a Rainha dos Céus e dos anjos, a filha predileta de Deus,[8] a “mãe de Deus”. 

Aliás, esse último título de Maria – mãe de Deus – é o que mais incomoda os protestantes. Mas é um incômodo sem razão; afinal, os católicos não estão errados em defender esse título lembrando que ela é a mãe de Jesus Cristo, que é Deus. Logo, apresentá-la como mãe de Deus não deveria soar tão absurdo. 

Comentando o anuncio do anjo de que Maria seria mãe do Filho do Altíssimo,[9] isto é, do Verbo que se fez carne, o padre Paulo Ricardo não erra quando diz que “isso significa que Maria, sendo virgem, não seria mãe simplesmente de um homem, mas do próprio Deus encarnado”.[10]

Então qual é o problema? 


O que realmente divide católicos e protestantes quando se trata de Maria é que estes entendem que qualquer culto ou adoração que não seja a Deus (Pai, Filho e Espírito) é errada e condenada pela Bíblia. Por mais que seja santa, bem-aventurada e inestimável mãe do nosso Senhor, Maria não deve ser adorada ou cultuada porque todo culto que não seja ao Criador é tratado como idolatria na Bíblia. É por isso que a história bíblica mostra Maria – não sendo cultuada – mas se juntando aos outros no culto a Deus. 

Todos eles se reuniam sempre em oração, com as mulheres, inclusive Maria, a mãe de Jesus, e com os irmãos dele – (Atos 1:14). 

Jesus morreu na cruz também pelos pecados de Maria; pois ela, assim como todos os seres humanos indistintamente, também nasceu em pecado[11] e está incluída entre todos os que pecaram e que carecem da glória de Deus. [12] Então, porque não devemos rogar à Maria o perdão dos nossos pecados? Porque foi Jesus Cristo somente que morreu na cruz pelos nossos pecados, que somente pelo sangue dele são purificados. [13]

A Bíblia Sagrada também não admite que Maria seja tratada como intercessora. Esse papel é exercido pelo Espírito Santo[14] e pelo próprio Jesus Cristo, que recebe o título de nosso Advogado[15] junto ao Pai. 

Sendo assim... 


Maria é um extraordinário exemplo de fé. Sua devoção e submissão a Deus, mesmo diante de um mistério incompreensível, devem nos inspirar dando-nos um modelo de como viver uma vida agradável a Deus. 

Maria é também a redenção das mulheres. Se Eva falhou miseravelmente no seu teste de fé[16] trazendo grave prejuízo às mulheres,[17] Maria redime-as dessa vergonha ao portar-se com excelência diante de um desafio infinitamente maior. 

Imagine você participando daquela reunião de oração mencionada no começo do livro de Atos.[18] Você e vários irmãos e irmãs ajoelhados em oração. Ao seu lado está Maria, a mãe do nosso Senhor Jesus Cristo, ela está também ajoelhada, mãos postas em oração. Seu coração se aquece ao vê-la ali, orando ao seu lado, e você novamente fecha seus olhos com um desejo renovado de servir e amar a Deus com todas as suas forças, custe o que custar.



[1] Universidade Estadual do Oeste do Paraná
[2] Evangelho de Lucas 1.48
[3] Evangelho de Lucas 1.42
[4] Evangelho de Lucas 1.38
[5] Academia Marial – www.a12.com/academia
[6] Dogma da Imaculada Conceição
[7] Dogma da Assunção de Maria
[8] Concílio Vaticano II (LG n. 53)
[9] Evangelho de Lucas 1.32-33
[10] https://padrepauloricardo.org/blog
[11] Salmo 51.1
[12] Romanos 3.23
[13] 1 João 1.7
[14] Romanos 8.26
[15] 1 João 2.1
[16] Gênesis 3.6
[17] Gênesis 3.16
[18] Atos 1.14


segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Ao Vencedor: Exposição do Salmo 98


vitória

Você poderia descrever a semana que passou como “VITORIOSA”? Você tem tido vitória em sua vida, em suas batalhas espirituais? Lendo Apocalipse 3 notei que as promessas de Jesus são AO VENCEDOR. Não há promessas aos derrotados, aos bem-intencionados. Observe: 


“O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos” (Apocalipse 3:5).

“Farei do vencedor uma coluna no santuário do meu Deus, e dali ele jamais sairá. Escreverei nele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce dos céus da parte de Deus; e também escreverei nele o meu novo nome” (Apocalipse 3.12).

“Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em meu trono, assim como eu também venci e sentei-me com meu Pai em seu trono” (Apocalipse 3:21).
Então, porque nós normalmente não vemos mais a vida cristã como uma luta a ser vencida? O salmo 98 é um cântico ao Deus que nos dá vitória e fala acerca da dádiva e da necessidade da vitória na vida do crente.

A DÁDIVA


O Salmo 98:1 mostra que a VITÓRIA é uma dádiva que Deus nos dá. Não temos vitória por direito ou merecimento, a vitória não é resultado de uma declaração (“você é vencedor”, “toma posse da vitória”). A vitória é fruto da graça de Deus.

A NECESSIDADE:

A vitória não é apenas para o nosso bem estar ou porque Deus nos ama e quer nos ver felizes. A vitória que Deus nos dá é necessária que o nome de Deus seja glorificado diante de todos os povos e que todos reconheçam que Deus é o único Senhor. O salmista ressalta três aspectos dessa necessidade:

Para a evangelização


Os versos 2 e 3 mostram que a vitória em nossa vida é uma necessidade pois é assim que até os confins da terra testemunham a vitória que Deus nos dá. As pessoas ao nosso redor podem perceber a grandeza de Deus através da vitória que Ele nos dá. Afinal, se falamos que o nosso Deus é grandioso, mas vivemos uma vida de derrota, que poder tem esse testemunho?

Para o nosso louvor


Os versos 4 a 8 falam do louvor ao Deus que nos dá vitória. A vitória em nossa vida muda a maneira como adoramos a Deus. O salmista fala que toda a natureza louva a Deus ¾ o mar, os rios e os montes; é como se todo o universo juntasse-se a nós em louvor ao Deus que nos faz vencer.

Para advertência aos incrédulos


O verso 9 mostra que este louvor é também uma advertência aos incrédulos. Através de nós, os incrédulos podem saber que nosso Deus é real e que Ele não é como os ídolos ou outros deuses. Nossos amigos e vizinhos não crentes que veem nosso louvor pelas vitórias que Deus nos dá, não terão desculpa quando chegar o dia em que serão julgados por esse Deus.

CONCLUSÃO

Qual pecado você precisa vencer? Qual tentação tem feito você cair? Em que área de sua vida você tem sido constantemente derrotado? Examine-se! Dobre os seus joelhos e ore! Não desista! Recomece quantas vezes sejam necessárias! E seja também um VENCEDOR.

Destaque

Porque vocês odeiam Nossa Senhora?

Meus livros no Skoob